Obrigado Leandro Konder!!!

Foi no colar do movimento estudantil no final dos anos oitenta que caiu sobre as minhas mãos o primeiro livro que li do Leandro Konder: Marx: Vida e Obra. Era um garoto de 14 para 15 anos que trabalhava no centro do Rio como aprendiz de Lapidário. Era, também, um dos integrantes do Grêmio do Impacto (atual Alfa) e fazia curso de Teatro no Procópio Ferreira (Teatro da Câmara em Duque de Caxias) e carregava um entusiasmo impressionante em meus pés que levavam-me pelos longos andadões. Quando somos garotos acho que a coragem e a memória são carregadas nos pés. Anos de muitas descobertas.  Nas horas extenuantes que passava dentro dos coletivos que me levavam de Belford Roxo a Central do Brasil aproveitava para ler tudo que podia e me emprestavam. Lembro-me que quando comecei a ler Marx: Vida e Obra, do Leandro Konder, me sentia o maior especialista em Marx que poderia existir e com todas as dificuldades de oratória que tinha, saia tentando explicar as ideias do pensador alemão. A leveza, e ao mesmo tempo a instigadora forma de seduzir o leitor incauto, que o Leandro Konder tinha usado naquele espécie de manual para iniciantes havia provocado uma curiosidade tamanha naquele menino-homem que trabalhava para pagar os estudos e ir ao cinema. Logo após terminada a leitura, dei uma sequência aleatória que me fez mergulhar no Manifesto do Partido Comunista, A história das tendências no Brasil, Brasil Nunca Mais, as biografias de Lênin, Trotsky e Rosa Luxemburgo; 1968, do Zuanir Ventura e algumas obras de Bakunin e Mayakovski. No correr da agenda política daquele período, em minha mente formava-se uma tempestade de ideias, ideologias e atitudes em relação ao mundo que me conduziam a uma compreensão dialética da realidade contraditória na qual estava mergulhado: a pujança da violência, as fraternais e miseráveis espécies humanas que me empurravam ao penhasco da vida, a criativa força de sobrevivência dos amigos que se amotinava em trincheiras revolucionárias de pequenas conquistas, a multidão que espremida em blocos são vividos zumbis que reproduziam o capital e eternizam sonhos nos ir e vir dos trens e ônibus que deixavam a Baixada Fluminense em direção a Leopoldina, Central do Brasil e a Praça Mauá. Diariamente me deparava com uma realidade material dispare entre os morros do meu bairro “Mata muleque”, em Belford Roxo e a Rio Branco dos Edifícios. Percebia que o capital ou a falta de divisão dele dilacera vidas. Tenho sulcos em minha mente abertos pelo arado dos livros que li entre os anos de 1988 e 1989. Deixaram trilhas expostas que continuam a sangrar por uma sociedade igualitária, consciente e emancipadora do homem. Obrigado Leandro Konder!
https://www.facebook.com/chicoalencar/photos/a.220261591409433.36789.184693888299537/582269411875314/?type=1

Comentários

Postagens mais visitadas